Refinanciamento de veículos

Precisando de dinheiro? Se sim e já deu uma pesquisada na internet, com certeza se deparou com inúmeras opções. Empréstimo pessoal, empréstimo consignado, refinanciamento de veículos… Todos podem ser alternativas para um momento de necessidade, mas como saber qual escolher?

O primeiro passo é conhecimento. Já dizia o ditado, “com dinheiro não se brinca” — e quando se trata do seu bolso, é preciso sempre cuidado. Saber como funciona um tipo de crédito antes de se comprometer com ele é importante para não cair em uma cilada ainda maior do que a que você se encontra.

Para te ajudar, no post de hoje vamos focar no refinanciamento de veículos, também chamado de empréstimo com veículo como garantia. Abaixo, você encontrará as respostas para todas as dúvidas sobre esse tipo de crédito e como refinanciar seu carro! Vamos lá?

O que é o refinanciamento de veículos?

O refinanciamento de veículo é um tipo de empréstimo em que você apresenta seu carro como garantia. Por ser um empréstimo garantido, os juros nesse caso tendem a ser menores do que opções sem garantia, porque o credor entende que não terá prejuízo caso as parcelas não sejam pagas.

Ou seja, caso não cumpra com os compromissos do empréstimo, o credor poderá tomar o carro como ressarcimento pelos valores devidos. Isso não significa que esse é um tipo de crédito ruim, mas é que preciso um bom planejamento financeiro antes de pensar em refinanciar veículo.

Quanto consigo em um refinanciamento?

O valor emprestado em um refinanciamento de veículos dependerá de vários fatores. O primeiro deles é a financeira ou banco escolhido — instituições diferentes praticam condições diferentes, por isso, vale pesquisar.

O segundo é o modelo e o ano do carro que servirá como garantia. Como é de se imaginar, quanto mais novo o carro, maiores as chances de conseguir uma quantia maior. Da mesma forma, um carro muito velho pode significar um empréstimo menor.

A avaliação é feita de acordo com a Tabela Fipe, a tabela que lista o preço padrão de todos os modelos de carros comercializados no Brasil. Vale checar quanto seu carro custa antes de pedir um empréstimo. Outra observação é que, em geral, carros com mais de 10 anos de uso podem não ser aceitos.

Qual a taxa de juros cobrada no refinanciamento?

A taxa de juros também dependerá dos mesmos fatores que o valor emprestado: o credor escolhido e o modelo e ano do carro. Porém, como já falamos, por se tratar de um empréstimo com garantia, é possível conseguir condições melhores.

Estou com nome sujo, posso fazer o refinanciamento?

Não há uma resposta exata para essa pergunta. De novo, isso dependerá da instituição escolhida e do tipo de avaliação e política de crédito que eles possuem. Algumas poderão barrar a solicitação de refinanciamento de veículo caso você esteja com nome sujo por considerar que isso representa um risco ao contrato.

Já outras, podem usar sistemas mais modernos de análise que consideram não somente o CPF negativado mas seu histórico financeiro como um todo. Nesse caso, suas chances são maiores. Caso não consiga, existe a possibilidade de conseguir um empréstimo pessoal normal estando negativado — veja mais neste post.

O veículo deve estar em meu nome?

Sim, essa regra é básica para qualquer empréstimo. Não é possível conseguir empréstimo com nenhuma instituição financeira no nome de outra pessoa. Portanto, o veículo deve ser seu e o documento deve constar no seu nome.

O que preciso para fazer o pedido?

Para fazer o refinanciamento, é preciso apresentar os documentos abaixo, tanto seus quanto do veículo:

  • RG e CPF;
  • Comprovante de renda;
  • Comprovante de residência;
  • Certificado de Registro do Veículo (CRV);
  • Carteira Nacional de Habilitação (CNH);

Geralmente, o pedido do refinanciamento deve ser feito pessoalmente junto à agência da financeira ou banco para apresentação dos documentos e assinatura do contrato. Porém, algumas instituições oferecem opções de refinanciamento de veículos simulação, para ver os valores online.

Como o dinheiro pode ser usado?

Diferente de um financiamento de automóvel, onde o dinheiro deve ser usado para compra do carro, o refinanciamento não tem destino pré-determinado para o dinheiro. Você pode usar de acordo com seus objetivos, seja para quitar dívidas, investir em um negócio, pagar uma faculdade ou viajar.

O carro deixará de estar no meu nome?

Não, o carro usado como garantia continuará no seu nome, mas estará alienado ao credor do empréstimo. Isso significa que haverá uma observação no seu CRV que garante ao credor o direito ao carro caso as parcelas do refinanciamento não sejam pagas.

A alienação também tem o objetivo de evitar que alguém venda o carro sem que o comprador tenha conhecimento de que o veículo está sendo usado como garantia em um empréstimo.

É possível pedir um refinanciamento de carro não quitado?

Sim, é possível. Se você ainda não tiver quitado seu carro completamente, pode pedir o refinanciamento e, caso aprovado, parte do dinheiro será destinado para quitar a dívida e a outra parte será entregue a você para usar como achar melhor.

Não é preciso dizer, portanto, que nesse caso a quantia disponível será reduzida. Por isso, na hora de fazer a simulação do refinanciamento, o valor para quitar a dívida existente deve ser considerado.

Estou com problemas para pagar as parcelas, o que fazer?

Como falamos, o banco ou financeira pode tomar o carro caso você não cumpra com o compromisso do empréstimo. Nesse caso, o veículo vai a leilão e você pode acabar com o nome sujo. Porém, também não é interesse do banco que isso aconteça — eles querem que você pague o refinanciamento.

Por isso, caso tenha problemas em quitar as parcelas, se antecipe e entre em contato com o credor para negociar a dívida. É possível conseguir uma renegociação das condições. Neste post, separamos algumas dicas de como você deve abordar o credor nesses casos.

Por que fazer um planejamento antes do empréstimo?

O planejamento financeiro é o que vai te dizer se terá condições de pagar o refinanciamento do carro. É importante tirar um tempo para fazê-lo e não correr o risco de acabar sem o veículo depois.

Os passos são simples: anote todos os seus gastos essenciais e não essenciais, anote todas as suas receitas e faça a matemática para que o que você ganha seja menor do que o que gasta.

A separação entre gastos essenciais e não essenciais é importante para identificar itens que podem ser reduzidos ou cortados completamente. São essas brechas que farão a diferença para conseguir pagar o empréstimo e ajustar sua situação.

Por exemplo, você pode ver que está gastando muito dinheiro comendo fora e passar a fazer mais comida em casa, ou descobrir que o pacote de internet pode ser reduzido trocando de plano. O importante é começar o planejamento e analisar!

Como saber se o refinanciamento é melhor pra mim?

Voltando lá no início, quem precisa de dinheiro tem diversas opções. O refinanciamento de veículos é somente uma delas e pode não ser a opção mais adequada.